União da Ilha apresentou sua sinopse para o carnaval 2018

18 07 2017

IMG-20170717-WA0009

GRES UNIÃO DA ILHA DO GOVERNADOR

ILHA APRESENTA SUA SINOPSE
PARA O CARNAVAL 2018

Com o enredo “Brasil Bom de Boca” (assinado pelo carnavalesco Severo Luzardo) para o carnaval 2018, a União da Ilha do Governador inovou e apresentou nesta segunda-feira, a sua sinopse aos compositores num restaurante no bairro da Ribeira, Ilha do Governador.

O evento contou com a presença de toda a diretoria da escola, seus segmentos, convidados (Marília Pessoa, representante do Senac, instituição que possui o maior acervo de pesquisa do Brasil em publicações sobre culinária brasileira e irá chancelar o enredo), Marquinhos de Oswaldo Cruz, representante da “Feira das Yabás” (que será representado num dos setores do desfile), Milton Cunha e imprensa.

Contato
Cesar Nogueira
Assessoria de Imprensa
Gres União da Ilha do Governador

UNIÃO DA ILHA DO GOVERNADOR

CARNAVAL 2018

Enredo

BRASIL BOM DE BOCA

de Severo Luzardo Filho

INTRODUÇÃO

A Ilha (delícia)

te convida pra

salivar e comer com os olhos:

é o samba com molho!

Desfilamos um Brasil temperado,

que entornou o caldo da miscigenação.

São iguarias da brasilidade.

Todos à mesa na Avenida,

a refeição será servida:

Carnaval quitute pra empanturrar,

ponto de prova da suculenta mistura.

Metam a colher na culinária que só tem aqui,

e tem pra todo gosto-

são cores, sonhos, aromas, irmandades, texturas,

ingredientes e temperos,

para estimular qualquer papila foliã.

Ingredientes: Nós e vocês bem misturados

Modo de Fazer: Mexa, remexa… e aqueça em fogo alto insulano

JUSTIFICATIVA DO ENREDO

Tida como uma Escola “Saborosa”, a União da Ilha do

Governador, no Carnaval 2018, junta a fome com a vontade de

comer: canta e dança, prepara e serve, na Sapucaí, a super

aventura dos hábitos alimentares da população brasileira.

O sabor, o saber e o sentido do patrimônio gustativo da

nossa gente! Porque quando comemos, ingerimos a história, a

antropologia, o social, o político, o religioso, a economia, as

tecnologias, o mito e o tabu.

Vai muito além da nutrição e da biologia – comida é

inventividade! Na mesa, no balcão do botequim, na tribo, na

viagem tropeira, na cuia, no altar, no peji ou na pia; o que se

come e como se come, em que lugar, em que época do ano, junto

com festa ou na solidão. Cru, assado ou cozido? Defumado?

Crocante? Salgado ou doce? Quente ou frio? Muito ou pouco?

Empratado ou à francesa? Indígena, portuguesa ou africana?

Caipira, amazônica ou migrante? Cara, barata ou de graça? Com

colher, garfo e faca ou com a mão? Todo lambuzado?

Complexo… e muito simples ao mesmo tempo, porque

comida é só prazer! Ela fala à memória do coração, revela a

hospitalidade e a simpatia que são patrimônios do povo

brasileiro. Através dela delimitamos as fronteiras de uma

federação do paladar, conectando gente, iguais e diferentes, na

fome e na fartura. Plural, multicultural, multiétnica, tradicional,

global e sobretudo, humana.

Sirvam-se à vontade…

1- Da uma provadinha…

Cabral das especiarias, disse um “e aí?” culinário para os índios,

oferecendo bolo folhado, mel e presunto cozido.

(O peixe morre pela boca…)

Os tupiniquins disseram para Caminha: “aqui, em se plantando, tudo dá…”

Depois…

E não é que deu?

Com o passar dos tempos,

a portuguesada, de longe, trouxe o gado leiteiro,

e fez cultivar cana e café: pronto!

Iria emplacar no costume da Terra Brasilis,

o velho e bom (e honesto) “preto e branco, bem doce”!

As caravelas,

pareciam carros alegóricos,

verdadeiras arcas de Noé:

vacas, touros, cabras, ovelhas, carneiros e porcos.

Galinhas, galos, pombos, patos, perus e gansos

(muitas penas para o futuro carnaval).

Foi a chegada dos desconhecidos e gostosos

figos, romãs, laranjas, uvas,

limões, tâmaras, maçãs, peras, marmelos e pêssegos.

Algumas das quais depois estariam no turbante da Carmem Miranda.

Trouxeram arroz que mais tarde casaria com o feijão,

pepino, mostarda, nabos,

gengibre, coentro, açafrão, salsinha, rabanete;

couves que se apegariam à linguiça do tropeiro,

alface, hortelã, alho, berinjela, agrião, manjericão,

chicória, cenoura, acelga, espinafre,

salsa e cebolinha, paus pra toda obra.

E não esqueceram do açúcar e sal a gosto,

para potencializar o pecado abaixo da linha do Equador.

2- Sabores da Terra

Os de cocar e tanga serviram riquíssima culinária,

fruto de seu conhecimento milenar dos sabores da terra:

e o mundo se apaixonaria pelo pirão,

e acharia delicioso o mingau de farinha de mandioca,

a volúvel (e solúvel)

que também atendia pelo nome de aipim ou macaxeira.

Bolinhos de farinha enrolados e torrados – o beiju, e a tapioca;

diversidade com raízes, milho, batatas, amendoim.

Cajus e ananás (os abacaxis rebeldes) que abundavam nas matas.

Os tropicais, quentes, pesavam a mão na pimenta,

saboreada com o nome de Inquitaia.

Folhas e ervas cozidas e cortadas, batidas no pilão:

era a papa grossa do Caruru.

A moqueca naquele tempo chamava pokeka,

E os peixes cozinhavam envoltos em folhas gigantes.

Mais uma que mudou de nome:

a banana era a pacova da terra.

Outra que tinha outro nome era a Paçoca,

que respondia pelo nome de Pasoka:

farinha misturada com torrado de peixe seco ou carne.

Salve o Tucunaré, muito apreciado pelos peles vermelhas de

urucum…

Apertando o tipiti, os índios faziam descer

um suco amarelado e inebriante: o tucupi.

Mestiças tradições o puseram com goma e camarão virando tacacá;

já nele afogando o penoso preparavam o pato no tucupi.

Em ambos reinava o jambu,

a erva que causava tremores nos lábios e calafrios no povo da taba,

que comiam com as mãos, de joelhos agradecendo a Tupã.

Sempre lambuzados da memória ancestral dos donos da terra.

Todas estas exóticas novidades das tradições da floresta

foram parar em caboclos mercados, encontro de vários mundos.

3- Procure uma nega baiana que saiba mexer…

Os negros bantos, graças aos portugueses, sacavam muito de Índia,

e apresentaram o uso do leite de coco em quase tudo, como lá:

no arroz, peixe, ou na canja de galinha!

Foi um sarapatel!

A manga fez um sucesso danado !

Só que eles também sacavam tudo de Arábia,

e dá -lhe de fazer cuscuz.

E como eles sacavam tudo deles mesmos,

trataram de ensinar por aqui

o uso do inhame, o quiabo,

a melancia, a abobora, o melão,

o azeite de dendê e a galinha d’angola.

Mulheres negras Yabás, nas senzalas e na casa grande,

fundiram receitas de Portugal com África.

E foi aí que a porca torceu o rabo:

surgiu a Feijoada, vedete nacional,

o feijão ma-ra- vi-lha de tão democrático que era e é,

acabou virando símbolo da identidade nacional,

porque em volta dele nasceu o samba,

e todo mundo é bem chegado, basta saber chegar….

A escrava coloca o tabuleiro na cabeça,

e vai as ruas vender vatapá, quibebe, mungunzá, angu

e o acarajé, patrimônio nacional.

Sem esquecer a mulher de cravo e canela, Gabriela!

Que rufem os tambores

pelo bonde dos negros cozinheiros, sabor da vida,

que souberam misturar em doses preciosas

o seu mundo magnífico com o mundo dos outros.

Foi a partir desta mão africana

que consolidamos nossas matrizes simbólicas,

quando a comida passou a ter conotações

sociais, políticas, religiosas e culturais para quem a provava.

4- Super safra bronzeada mostra o seu valor…

De todos os presentes que a terra brasileira

deu ao nosso povo, o maior foi a fertilidade.

O arroz, também de carreteiro, espelha

o celeiro do mundo

numa riqueza de ingredientes de dar gosto.

Aqui se produz

todo tipo de alimento de origem agropecuária.

Animal e vegetal numa mesma empreitada,

nesta festa com frango a passarinho,

bem puxado no alho e óleo.

Obedecendo as leis da terra,

o brasileiro aprendeu a ordená-la!

Super safras de múltiplas contribuições,

com toneladas de farelo e óleo

do grão da vida, proteína de soja.

Campos de trigo e algodão.

Tudo se cria, nada se perde, a lavoura se transforma.

Investimentos em diversidade que trazem abundância,

no grande desafio de semear o solo, plantar e colher.

Transbordar a mesa com iguarias de Tia Anastácia e Dona Benta.

Torra e moagem da amêndoa seca de Cacau,

um show ímpar do chocolate:

nas festas regionais,

ritual e nobreza na tradição do sagrado.

Se Caetano devora Leonardo DiCaprio

nossa Escola devora Raul Lody, com açúcar e com afeto,

salpicado de Câmara Cascudo.

Especialista no velho, no novo, na memória alimentar.

Festa, comemoração, prazer, alegria,

mapeamento de nosso patrimônio imaterial.

Os vestígios das trocas culturais.

5- Saindo do armário da cozinha

Se não vai me degustar,

me larga, me deixa, me erra,

hoje eu vou assumir –

sou brasileiro sabor Brasil,

e não conseguiria morar longe daqui.

Admita o pecado de quitutes inigualáveis

no boteco da esquina com muita caipirinha.

Você sobreviveria

sem uma coxinha de balcão de vidro do pé-sujo?

Coma sem culpa um pão de queijo,

e controle-se no milésimo…

Cada um come o que quer,

Paçoca com açaí,

guaraná com bolo de rolo,

a comilança desvairada está liberada!

Brigadeiro e quindim,

irresistíveis de cortar os pulsos.

E na segunda-feira,

começa a dieta,

e bata nesta cara malcriada.

Sou bom de boca, de bem com a vida,

e meus “quilinhos” a mais não são gordura,

são excesso de gostosura!

Sou Ilha, sou delícia,

Quem prova de meu tempero, repete e não esquece.

Sou gente, sou povo, sou Rio! Sou Brasil!

Vem, que é hoje o dia,

só hoje, de me comer com os olhos…

Pesquisa: Prof. Dr. Clark Mangabeira

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: