Império da Tijuca define enredo para o Carnaval 2018

24 04 2017

Império da Tijuca define enredo para o Carnaval 2018
“Olubajé – Um banquete para o rei” é o tema do enredo da agremiação do Morro da Formiga


A Império da Tijuca definiu o enredo que desfilará na Marquês de Sapucaí no Carnaval 2018. “Olubajé – Um banquete para o rei” foi anunciado tradicionalmente na festa de São Jorge da agremiação e é de autoria e desenvolvimento de Jorge Caribé e Sandro Gomes.


– Pesquisamos e percebemos que quando o Império da Tijuca desfila com a temática afro, ela realiza grandes carnavais e queremos realizar um grande carnaval em 2018. Fomos eliminando os orixás que já foram homenageados na Sapucaí assim como Xangô e Oxum que já passaram algumas vezes na Avenida. Pensamos então na origem da comunidade, o morro da Formiga. A Formiga para o candomblé é um animal respeitado porque assim como o cupim constrói e destrói, é um ser de transformação e é o animal do orixá homenageado, Omolú – o filho da terra que nasce sobre a proteção do rei Sol. – explica Jorge Caribé.

O tema será explanado aos compositores nesta segunda-feira, 24 de abril às 20h na quadra localizada na Rua Medeiros Pássaro nº 84. A ala é aberta aos interessados.

Confira a sinopse:

Enredo: Olubajé – Um banquete para o rei
JUSTIFICATIVA

África, força divina! Por séculos, vem de lá toda a força da natureza e dos Orisás que conduzem o mistério da vida, o segredo da doença e o remédio da cura. O jogo do Ifá, consagrado do Candomblé revela que é tempo de oração e respeito. Nasce o dia! Surge a estrela da manhã: o sol, com toda a sua quentura. A terra se alimenta e nutre o corpo de vida e saúde. Do calor da natureza, grande pai e senhor, dono do Ayê.

O Império da Tijuca pediu agô por seu povo. Elevou as mãos ao céu e fez surgir um grito de fé. Da esperança verde e branca do Morro da Formiga, veio o clamor: atotô, ajuberu! Atotô, Obaluaiê!

Filho de Nanã, sua mãe biológica, que mesmo ao rejeitá-lo diante de sua fraqueza, por não entender que tu eras especial e que só ela seria capaz de gerá-lo, por caminhos não explicados; foi permitido pelo Criador, o destino de transformá-lo no senhor da quentura. Obaluaiê vai viver e se curar nas mágicas águas salgadas do Reino de Olokun, no colo maternal e piedoso de Yá Omon Ejá (a mãe cuja os filhos são peixes) e dela recebe afeto, amor e a cura. Assim começa a nossa história.

O morro do Império da Tijuca curva-se diante de Ti, ó senhor para homenageá-lo, contando a tua história para milhões de pessoas que vão entender a tua vida, através desta ópera a céu aberto e assim para aqueles que não o conhecem aprenderem a amá-lo e respeitá-lo.

Nos deparamos com uma incrível coincidência: as formigas do povo Iorubá (formigas e cupins), que são os símbolos de Obaluaiê na África, divindade da terra. Suas incorporações mirins denominadas de erês, são batizados por esses nomes e o símbolo da escola, junto com a coroa imperial, são as formigas que também prestam o nome para este morro tão tradicional da comunidade carioca. Aí percebemos que o caminho era certo. Com as formigas, palhas e suas pipocas, pedimos proteção para iniciarmos os nossos trabalhos.

Através do sopro divino da inspiração, o Império da Tijuca faz do seu enredo, um grande sirê para ver Obaluaiê dançar ao toque de opanijé. Chegou a hora! O ritual vai começar! Giram as baianas na avenida! Entrem ao som do adjá! Todos querem ver o lindo balançar das palhas de Obaluiaê!

“Pai Obaluaiê, venha nos valer! Cubra o nosso pavilhão e abençõe a coroa da nossa sinfonia imperial. Que a terra sagrada, solo onde são lançadas as sementes de saúde e cura, seja a luz e o caminho para a vitória da nossa comunidade.”

Atotô, ajuberu! Atotô Obaluaiê!

SETOR 1 – NASCIMENTO DE OBALUAIÊ
Omolu, o filho da terra. Nascido do ventre de Nanã, Saluba, foi criado no seio de Yá Omon Ejá. Após sua cura, retorna conduzido nos braços de sua mãe adotiva que o devolve para o convívio de sua mãe ancestral. Assim começa a sua saga sob o solo do povo Nagô. Com a sua origem em terras Dahomeanas, foi batizado e até hoje é conhecido com vários nomes: Omolu, Obaluaiê, Oluaiê, Selegbatá, Sapanã e outros. Todos em um só. O grande senhor do sol e da terra. Com o tempo, Obaluaiê transformou-se num poderoso guerreiro, feiticeiro e caçador, que se cobria com a palha da costa, não apenas para esconder as chagas, mas porque agora o seu corpo brilhava como a luz do sol.

SETOR 2 – OBALUAIÊ E O CALOR DA TERRA
O calor é a chama da vida. É o combustível essencial de tudo o que há de mais sagrado no universo. O sol escaldante da África milenar serve de fundo para a nossa criação. O calor do sol, da terra rachada e cansada de sofrimentos e dor, acolhe a morte, senhora do descanso eterno e irmã da vida. Assola o seu povo com doenças mortais infectocontagiosas, como no passado a varíola avassaladora e doenças endêmicas que em outrora foram extintas, mas por hora voltaram a assombrar a nossa população, como a febre amarela, tão antiga e ao mesmo tempo tão nova. É a prova que em círculo, a nossa terra se movimenta com o sol e nada desaparece. Tudo o que há na Terra, permanece sob o mistério do oculto.

Obaluaiê é aquele que se faz presente no Orin, que é o calor de Omulu e no asó ikó. Com o seu poderoso sarará faz resplandecer a luz de brilho incandescente que toca o coração dos homens e os acompanha por todos os estágios da vida. Nas guerras, nos amores indecifráveis, nos mistérios da caça, na pipoca que estoura na terra. Obaluaiê, o senhor poderoso da fartura está na vermelhidão das chagas, no calor da febre e da varíola, no meio-dia, na insolação.

SETOR 3 – NINGUÉM VIVE SÓ
Acompanhado de sua família, o povo Sakpatá é composto por orisás ligados à terra e a transformação da humanidade. Seus cultos se difundem entre terra, água, vento e fogo e os três reinos da natureza: mineral, vegetal e animal.

Nanã, senhora dos pântanos, lamas e argila, ligada ao ritual de criação do ser humano, junto com Babá Alamurerê (senhor da argila branca), orisá criador do primeiro homem, criador da boa terra com seivas vegetais, o ejé (sangue) e emi (sopro da vida). Nanã é senhora dos caracóis e búzios e da agia, grande rã, dos pântanos yorubás.

Osumaré, serpente sagrada do arco-íris e protetor do povo fon, a grande cobra encantada que acompanha Obaluiaê. Seu símbolo é o mundo sem fim, sua cobra engolindo o rabo. Arroboboi!

Yewa, orisá feminino que se apresenta na cor vermelha do arco-íris e na materialização da cobra fêmea que gera um filho com Omolu. Protege Orumilá contra as perseguições de Babaegun.

Ossain, seu companheiro inseparável. Detentor do poder da cura, através das plantas medicinais. Orisá vindo de Iraó, com o compromisso de ser, medico de Omolu, seu fiel aliado.

Irocko, orisá de origem Jeje Nagô, simbolizado pela sua majestosa árvore que liga e une os dois mundos: o orun e o ayê (o céu e a terra). Suas raízes sustentam o povo de fé.

SETOR 4 – O POVO EM BUSCA DE AGRADECIMENTO LHE OFERECE O OLUBAJÉ

Olubajé, grande banquete oferecido para o grande mestre. Festa de purificação e crescimento religioso é de muita importância para o povo negro e para a comunidade de terreiro. É uma das mais importantes cerimônias do Candomblé Yorubá (tradições, vindas da Nigéria). Assim como na África, os orisás se reuniram para homenagear Omulu em busca de união entre os cultos, nós integrantes do Império da Tijuca, vamos usar como exemplo para celebrar essa festa e pedir a paz e a união entre os sambistas, nesta grande oportunidade, no altar do samba, que é a Marquês de Sapucaí. Que chegue a hora tão esperada para a nossa comunidade! Vamos nesse dia representar com humildade e sem denegrir a imagem do orisá, sua forma de culto e tradições milenares. E crendo nisso, rogamos ao grande senhor do povo Yorubá Jeje Nagô com o pedido de silêncio: atotô, diante de Ti.

Que tudo ocorra em nome de sua mãe Yá Nanã, que a vitória seja certa e com isso possamos trazer a alegria para essa comunidade tão carente e sofrida, tal como sua história. Que tenhamos motivos para comemorarmos com o seu olubajé. É chegado o final de tudo. Que os ventos bons de Iansã soprem para bem longe como se estivessem varrendo toda a mazela, doença e a morte. E a vida com suas cores emoldurem nossa criação para guardarmos essa história na galeria vitoriosa do G.R.E.S.E. Império da Tijuca.

Trabalho realizado com carinho pelos carnavalescos Jorge Caribé e Sandro Gomes.

Texto escrito por Jeferson Pedro, nas mágicas páginas de um livro chamado carnaval.

Bibliografia
BASTIDE, R. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1989
GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
LÉVI-STRAUSS, C. A estrutura dos mitos. In Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Cap. XI, p. 237-265.
PESSOA DE BARROS, J.F. O banquete do Rei… Olubajé: uma introdução à música afro-brasileira. Rio de Janeiro: Uerj, Intercom, 1999, p. 178.
VERGER, Pierre. Lenda dos orixás. Salvador: Corrupio, 1981, p. 59.
Transmissão oral do carnavalesco Jorge Caribé

Glossário:
Agiá – rã sagrada de Nanã
Agô – licença
Arroboboi – saudação de Osumaré
Ásó iko – roupa de palha
Atotô – silêncio
Ayé – Terra
Baba alamurere – pai da argila (tipo de Osalá)
Candomblé – veio do Can dom ble. Religião reinventada para o Brasil
Dahomé – território africano. Hoje conhecido como Benin
Eje – sangue
Emi – sopro da vida dado por Olorum
Erês – divindades mirins
Fon – povo africano
Iansã – vem do Yorubá Ya mensã Orum. Mãe dos 9 filhos.
Ifá – divindade do oráculo, adivinhação
Iraó – lugar na Nigéria
Irocko – orisá jeje do culto à gameleira
Jeje – povo africano
Nagô – território africano
Nanã – Orisá ligada a criação do mundo
Nigéria – país africano
Obaluaiê – rei do céu e da terra
Olokun – senhor dos oceanos, pai de Ya omon ejá
Olubajé – cerimônia religiosa ao culto de Omulu
Omolu – nome dado ao orisá
Opanijé – toque ritualístico para Omolu
Órin – sol
Orisá – guardião da cabeça
Orum – céu
Orumilá – orisá do culto a Ifá. Deus da agricultura
Ossaim – orisá das folhas
Sakpatá – origem de Omolu
Saluba – saudação do orisá Nanã
Sapanã – orisá da quentura
Sasará – porrete mágico de Omolu ou aparamento contendo a cura.
Selegbatá – nomenclatura do povo Jeje para Omolu
Siré – dançar
Yá – mãe
Ya omom ejá – a mãe cuja os filhos são peixes
Yewá – orisá feminino do arco-íris
Yorubá – povo que vive na Nigéria

Vídeo explicativo sobre o enredo: https://youtu.be/l6b2FVBaBW8

 Fotos:Geissa Evaristo

Geissa Evaristo
Assessora de Imprensa
GRESE Império da Tijuca





Grupo Somente Hoje e João Victor fazem shows neste Domingo,em Queimados

24 04 2017

Grupo Somente Hoje e João Victor fazem shows neste Domingo,em Queimados
Somente Hoje faz show neste domingo (30), no Green Palace.
João Victor e Marcinho Gomes também se apresentam.


O projeto ” A Tardezinha Que Você Respeita” vai reunir na mesma tarde: Grupo Somente Hoje , João Victor & Marcinho Gomes , no Green Palace , dia 30 véspera de feriado , Queimados , A partir das 14h

SERVIÇO

Data : 30/04/2017

Shows: Somente Hoje , João Victor & Marcinho Gomes

Local : Green Palace
Endereço; Avenida Tiradentes , 405, Inconfidência , Queimados .
Horário: 14 hs

Valor do Ingresso

R$ 10,00 reais Preço único

Telefone Contato : 96450-4338

Classificação etária: 18 anos





Unidos de Bangu iniciará aulas de percussão e samba nesta terça, dia 25

24 04 2017

Unidos de Bangu iniciará aulas de percussão e samba nesta terça, dia 25


Após conquistar o título da Série B com 269,1 pontos e retornar à Marques de Sapucaí no Carnaval de 2018, a Unidos de Bangu iniciará nesta terça-feira, dia 25 de abril, o projeto de aulas de percussão sob a responsabilidade de mestre Zumbi, comandante da bateria Caldeirão da Zona Oeste, e de samba com o diretor da ala de passistas, Kaiio Mackenzie. Os interessados poderão se inscrever no projeto na primeira aula que será realizada no Cassino Bangu, a partir das 20 horas.
O diretor da ala de passistas, Kaiio, iniciou no samba por influência das tias que são baianas, Maria Cristina e Márcia Jurema, que, segundo ele, levaram-o com apenas cinco anos para desfilar na São Clemente, escola aonde ser formou como passista.
“Fiquei na escola por 13 anos e, depois, passei pela União da Ilha, Paraíso do Tuiuti e Caprichosos de Pilares. Sou atualmente passista da Unidos de Vila Isabel. Nossa ala conquistou o Estandarte de Ouro em 2016. Também fui coordenador três anos na Acadêmicos do Engenho da Rainha, onde conquistei os prêmios Samba na Veia e Ziriguidum como a melhor ala de passistas. Participei das Olimpíadas na cerimônia de encerramento. No ano passado fui um dos monitores de um projeto de samba em Vitória, patrocinado pela Unidos de Jucutuquara. Também fui coordenador da ala de passistas de uma escola em Campos dos Goytacazes, a União da Esperança, e, no ano passado, passista da Unidos de Padre Miguel. Tenho como meus professores Valci Pelé e George Louzada”, destacou.
Ele acrescentou que moças e rapazes que gostam de samba poderão participar do projeto de samba da Unidos de Bangu, cuja as aulas acontecerão juntamente com as turmas de percussão, todas as terças a partir das 20 horas. “O projeto contará com passistas da escola e da comunidade, além das novas alunas. As aulas começarão nesta terça, dia 25, e conto com a presença de todos”, ressaltou Kaiio.
Mestre Zumbi, comandante da bateria Caldeirão da Zona Oeste e responsável pelos 40 pontos obtidos no desfile deste ano, teve seu contrato renovado pela direção da Vermelho e Branco logo após a conquista do título. Ele ficou feliz por ter seu trabalho reconhecido e promete uma bateria aguerrida na Série A, para conquistar novamente as notas máximas.
“Os interessados poderão iniciar na escolinha a partir dos 15 anos. Estaremos focando em ensinar os novos ritmistas. Quem tiver interesse terá apenas que frequentar as aulas todas as terças, a partir do dia 25, no Cassino Bangu”, disse o mestre

Adriana Vieira
Assessora de Imprensa
Gres Unidos de Bangu
AV Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais

Foto: Divulgação
01 – Mestre Zumbi
02 – Diretor da ala de passista Kaiio Mackenzie





Felipe Gamadinho canta seus sucessos no Beer Club nesta Quinta -Feira (27)

24 04 2017

Nesta quinta-feira, Felipe Gamadinho faz show de Graça no Beer Club
Música ao vivo começa a rolar a partir das 21 h.


O cantor Felipe Gamadinho fará uma apresentação gratuita nesta quinta feira (27), a partir das 21h. No repertório do show estarão canções de seu primeiro disco solo “Habilidoso Nato” como “Pensando besteira”, “Pedido”, “Zero um”, entre outras.

Serviços :

Data : 27 de Abril

Show : Felipe Gamadinho

Abertura : Wesley Motta

Local : Beer Club

Endereço : Rua José Brigadão Ferreira , 243 , Centro , Nova Iguaçu

Entrada : Franca !

Classificação : 18 anos





Paulo Menezes e Laís Menezes formam o 2o casal do Acadêmicos do Engenho da Rainha

24 04 2017

Paulo Menezes e Laís Menezes formam o 2o casal do Acadêmicos do Engenho da Rainha


Mais uma dupla fecha com a equipe do Engenho da Rainha. Desta vez, Paulo Menezes, carinhosamente chamado de Paulinho, que teve seu contrato renovado como 2o mestre-sala, agora fazendo par com Laís Menezes, que chega na casa para abrilhantar ainda mais o time que conduzirá a escola vermelha e branca no Carnaval 2018.

Ambos são oriundos do projeto de Mestre-Sala e Porta-Bandeira Manoel Dionísio. Juntos formam o 2o casal da Tupy de Braz de Pina, tradicional escola que desfila pelo grupo D.

Paulinho chegou no Engenho da Rainha em 2016 para fazer par com Kyane Cristina no Carnaval de 2017. Agora, com seu novo par, ele busca se desenvolver ainda mais, seguindo os passos de sua mãe, a 1a Porta-Bandeira do Engenho, Mônica Menezes.

Laís não esconde a empolgação, quando se trata de defender mais um pavilhão ao lado de Paulinho. A sintonia do casal só tem a acrescentar em um trabalho que cresce a cada dia. O casal promete fazer bonito, pois é responsável, centrado e premiado. Ambos tiveram excelente desempenho na avenida em 2017, o que lhes rendeu prêmios por suas respectivas agremiações.

O jovem casal agradece ao presidente Bad Boy pela oportunidade, e comentam que trabalharão com afinco para se apresentar com a dignidade que a primeira academia do samba merece.
O Engenho da Rainha será a 11a escola a desfilar no Carnaval 2018 pela Série B, na disputa por uma vaga na Marquês de Sapucaí.

Lia Amorelli – cel e whatsapp 

Diretoria de Comunicação e Imprensa

Gres Acadêmicos do Engenho da Rainha





Chapa de oposição disputará eleição na Acadêmicos do Cubango

23 04 2017

Chapa de oposição disputará eleição na Acadêmicos do Cubango


No próximo dia 07 de maio o Acadêmicos do Cubango realizará eleições para a escolha do presidente executivo e conselho deliberativo da escola para o biênio 2017-2019, depois de dezesseis anos elegendo o atual presidente Olivier Luciano, o Pelé, por aclamação. Buscando a renovação administrativa, um grupo de cubanguenses criou a chapa “Resgata Cubango”, capitaneada por Rogério Belisário, principal nome e candidato a presidência. Rogério, de 73 anos, está na agremiação desde 1965, passando por diversas funções na escola, como direção de carnaval, vice-presidente, direção social, entre outras funções. Confiante na vitória, Rogério afirma que a mudança é necessária para a evolução da escola:

– Temos que ter mudanças sérias no Acadêmicos do Cubango. Há dezesseis anos uma pessoa está na presidência e a agremiação não evoluiu. Estamos com o apoio dos moradores e cubanguenses que estão insatisfeitos com esta administração, e vamos trazer os componentes que se afastaram da escola. O atual presidente afastou praticamente todos os diretores e grandes profissionais e infelizmente colocou membros da família, causando insatisfação geral na comunidade. Ninguém consegue gerir uma escola sozinha, com uma quadra fechada para sua comunidade e fazendo o que quer. Precisamos de estruturação financeira, administrativa e cultural, entre outros setores que estão abandonados. Quero, junto com nossos diretores e a comunidade, gerir a escola com transparência e responsabilidade, pois a comunidade da Cubango e nossa escola merecem respeito.

Ao lado de Rogério Belisário está o servidor público e líder comunitário Paulo Cesar Quintanilha, conhecido popularmente como Pool. Ele, que tem 53 anos, chegou aos 15 anos na escola, participando de trabalhos comunitários e acompanhando o fundador Ney Ferreira a construir pouco a pouco a história da Cubango. Assim, conhece todos os sambistas dos morros de São Luiz, Mangueirinha, Abacaxi, Serrão, Cubango, dentre outros da região de Niterói, demonstrando toda a sua afeição e preocupado em atender às necessidades destas comunidades em retornarem a desfilar pela escola:

– Precisamos resgatar um dos seus maiores valores: a presença da comunidade participativa na escola, ajudando, aprendendo, desenvolvendo atividades e apoiando em seu carnaval e nas mais diversas áreas. Nós da chapa “Resgata Cubango” reivindicamos simplesmente o que é nosso, a Cubango de volta para o seu componente. Sou discípulo de Ney Ferreira e nós da chapa dois queremos que a escola seja genuinamente de comunidade e que não fique na dependência de importar componentes de outras agremiações para desfilar. A nossa escola tem que estar de portas abertas para a comunidade da Cubango e seus arredores. E assim estamos percorrendo as comunidades para ouvir todos e valorizar cada componente. Há dezesseis anos não há chapas de oposição, mas desta vez temos uma, e tenho certeza que o verdadeiro cubanguense nos dará a vitória.

O pleito para a escolha do novo presidente executivo será no dia 7 de maio, das 8 às 17 horas, na quadra do Acadêmicos do Cubango, localizada na Rua Noronha Torrezão, 560, em Cubango, Niterói. Como a agremiação não tem quadro de sócios aptos para eleger seu dirigente conforme rege o estatuto da escola, as chapas acordaram que qualquer pessoa munida de documento oficial com foto poderá votar.

​Foto: Rogério Belisário e Pool Quintanilha, candidatos a presidente e vice-presidente do Acadêmicos do Cubango

Fotos :divulgação/Paula Ranieri


Chapa Dois – Resgata Cubango

Presidente: Rogério Belisário
Vice-presidente: Pool

Paula Ranieri – Assessoria de Imprensa

Paula Ranieri

Jornalista
Analista de Mídias Sociais





Scheila Carvalho exibe corpão em clínica de estética em SP

22 04 2017

No início da tarde deste sábado (22), a atriz e dançarina Scheila Carvalho aproveitou que tinha um evento em São Paulo e deu antes uma passada na Clínica de Estética e Emagrecimento Emagrecentro, na unidade do Shopping Aricanduva, que fica situada na zona leste da capital paulista.


A beldade de 43 anos que está com um corpão de fazer inveja a muitas mulheres, também é a garota propaganda da clínica, e faz questão sempre que está pela capital de reservar um espaço em sua agenda, para realizar uma visita e colocar em prática alguns dos tratamentos estéticos.


Neste sábado ela optou por realizar a Lipocavitação, que é o tratamento que destrói as células de gorduras localizadas e em seguida realizou uma massagem modeladora direcionada a perda de medidas e celulites, que também é excelente para melhorar a circulação, além de afinar a cintura e levantar o bumbum.


Quem também acabou dando uma passada por lá, foi a modelo e ex BBB Janaina do Mar, as quais extremamente simpáticas, posaram juntas para os fotógrafos, conversaram com os admiradores e atenderam todos os pedidos de fotos e selfies do público que estavam pelo shopping.


“É um prazer muito grande poder receber estas duas beldades aqui em nossa unidade da Emagrecentro, que existe há mais de 15 anos dentro do Shopping Aricanduva”, declarou o Dr.Edson Ramuth, o proprietário da clínica.

Fotos: Renato Cipriano / Divulgação

Renato Cipriano
Assessor de Imprensa